Nove pessoas morreram em SC e um homem foi soterrado no RS. Reflexos de fenômeno climático causam ventos fortes no RJ e em SP nesta quarta.

Subiu para 10 o número de mortes causadas pelo fenômeno climático conhecido como “ciclone bomba” no Sul do país – nove mortes foram registradas em Santa Catarina e uma pessoa segue desaparecida no estado. Já no Rio Grande do Sul, um homem morreu soterrado.


Durante a madrugada desta quarta-feira (1º), os ventos chegaram a 90 km/h. Conforme o monitoramento da Celesc, 580 mil imóveis permaneciam sem luz até as 13h30. Na terça-feira (30), a ventania causada pelo fenômeno e tempestades provocaram estragos em todas as regiões.

De acordo com a Defesa Civil do estado, uma morte foi registrada em Itaiópolis, no Norte catarinense, uma em Rio dos Cedros e uma em Ilhota, no Vale do Itajaí. Outras cinco ocorreram na Grande Florianópolis: três em Tijucas, uma em Santo Amaro da Imperatriz e uma em Governador Celso Ramos. No Oeste catarinense, uma mulher morreu em Chapecó. E ainda são realizadas buscas a duas pessoas em Brusque, também no Vale, e em Tijucas. Ainda de acordo com o órgão, dos 295 municípios catarinenses foram registrados ocorrências em 101.

Nesta quarta, os estados do Rio de Janeiro e São Paulo devem sofrer fortes rajadas de vento por influência do “ciclone bomba”. Em SP, a velocidade dos ventos pode chegar a 80km/h. No RJ, deve chegar a até 76 km/h na capital e ressaca com ondas que devem atingir os 3,5 metros, segundo o Centro de Operações Rio.

Metade de Santa Catarina fica sem luz após passagem de ciclone
Metade de Santa Catarina fica sem luz após passagem de ciclone

Mortes
A morte registrada em Ilhota é de um caminhoneiro de São Paulo que trabalhava para uma transportadora e estava havia dois dias em Santa Catarina. Sérgio Idalgo, de 59 anos, morreu após um muro desabar no bairro Baú Baixo. De acordo com a Defesa Civil do município, ele teria ficado preso entre um caminhão e a estrutura. No município, dois ginásios de esportes desabaram, casas foram parcialmente atingidas e a marquise de um mercado caiu em cima de carros.

A região da Grande Florianópolis registrou a maior parte das vítimas do “ciclone bomba”. Em Santo Amaro da Imperatriz, um homem morreu depois de ser atingido pela fiação elétrica de um poste que depois da queda de uma árvore. Em Tijucas, três trabalhadores não resistiram depois da queda de um galpão. Em Governador Celso Ramos, uma morte foi confirmada na manhã desta quarta e ao menos oito pessoas ficaram feridas.

Em Chapecó, no Oeste, uma idosa de 78 anos morreu após a casa onde ela morava ser atingida por uma árvore. Outras mortes no estado ocorreram em Itaiópolis e outra em Rio dos Cedros, mas não foram divulgadas mais informações sobre essas duas ocorrências.

No Rio Grande do Sul, um homem morreu soterrado após um deslizamento de terra causado pelo temporal em Nova Prata, na Serra. Vanderlei Oliveira, de 53 anos, foi socorrido pelos bombeiros, que o encontraram embaixo dos escombros de um tapume que ajudava a erguer na encosta de uma construção, no loteamento Clivatti. Ele chegou a ser levado para o Hospital São João Batista, mas não resistiu.