Rodrigo Gaspar era diretor executivo administrativo e foi desligado nesta quarta-feira, em um processo de reestruturação envolvendo profissionais que são conselheiros

O diretor executivo administrativo do São Paulo, Rodrigo Roquette Gaspar, foi demitido nesta quarta-feira. Assim como Leonardo Serafim, ex-diretor jurídico, Gaspar também é conselheiro e estava licenciado do cargo.

A partir de abril profissionais do São Paulo que estão nesta posição terão de escolher entre a cadeira no Conselho ou o cargo remunerado.

A saída de Rodrigo Gaspar é mais um passo dentro de uma reestruturação na diretoria do São Paulo. O clube antecipou as mudanças que ocorreriam em abril para fazer a transição de áreas nas quais terá troca de diretores que também são conselheiros.

Ex-assessor da presidência, Rodrigo Gaspar foi protagonista de polêmica com Rodrigo Caio (hoje no Flamengo) em 2016, por conta de uma declaração em uma rede social.

Em um dos momentos mais complicados do São Paulo naquele ano, Gaspar chamou o zagueiro de “jogador de condomínio” no Twitter. Depois, ele se desculpou com o jogador na mesma rede social.

Rodrigo Gaspar é conselheiro licenciado e ocupava o cargo de diretor administrativo do São Paulo — Foto: Marcos RibolliRodrigo Gaspar é conselheiro licenciado e ocupava o cargo de diretor administrativo do São Paulo — Foto: Marcos Ribolli
Rodrigo Gaspar é conselheiro licenciado e ocupava o cargo de diretor administrativo do São Paulo — Foto: Marcos Ribolli

– Erva daninha deve ser cortada pela raiz… Michel Bastos e Milton Cruz fazem mal ao ambiente do clube… Centurión é uma piada… das piores… horroroso… a bola bate em suas pernas. É uma briga feia, daquelas que faz mal pra quem assiste… Rodrigo Caio é jogador de condomínio… Bonzinho, mas fraco… fraco de futebol e personalidade. Hudson era o único jogador em campo com espírito de libertadores e saiu… Perdemos força… – escreveu Rodrigo Roquette Gaspar, na ocasião.

Com as saídas de Gaspar (administrativo) e Serafim (jurídico), agora restam cinco profissionais remunerados que são conselheiros licenciados no São Paulo:

Elias Barquete Albarello (diretor executivo financeiro e conselheiro vitalício): pretende seguir no cargo até dezembro e abriria mão da cadeira no Conselho;
Eduardo Rebouças Monteiro (diretor executivo de infraestrutura e conselheiro vitalício): situação indefinida e não pretende decidir antes de abril, prazo final. Nos bastidores aponta-se para uma tendência de permanência no cargo até dezembro;
Paulo Mutti (superintendente de gestão de contratos e conselheiro vitalício): situação indefinida. Seu cargo foi criado em 2018;
Mauro Castro (gerente de estádio e conselheiro vitalício): situação indefinida. Mauro trabalhou no Pacaembu por mais de dez anos e está no São Paulo desde 2017;
Márcio Carlomagno Araújo (assessor da presidência e conselheiro eleito): situação indefinida e não deverá tomar decisão antes de abril.