A moeda norte-americana subiu 0,5%, a R$ 4,2129; no ano, o avanço até agora é de 8,74%.

O dólar fechou em alta nesta segunda-feira (25) e atingiu o maior valor nominal da história sobre o real. A moeda norte-americana subiu 0,5%, a R$ 4,2129. Veja mais cotações. Já o dólar turismo terminou o dia vendido perto de R$ 4,40 – sem considerar os impostos.

Em novembro, o dólar acumula alta de 5,07% sobre o real. No ano, o avanço até agora é de 8,74%.

O recorde anterior de fechamento do dólar sobre o real havia sido atingido na semana anterior. No dia 18 de novembro, a moeda norte-americana subiu 0,32%, encerrando o dia a R$ 4,206.

Guerra comercial
O dia for marcado novamente por expectativas dos investidores sobre as negociações comerciais entre a China e os Estados Unidos, com o mercado em busca de sinalizações sobre um possível acordo para colocar fim à guerra comercial que se arrasta desde o começo de 2018.

Notas de dólar — Foto: pasja1000/Creative Commons

Notas de dólar — Foto: pasja1000/Creative Commons

Nesta madrugada, um veículo estatal chinês informou que os dois países estão próximos de um acordo. Mas, mesmo assim, muitos agentes continuam cautelosos com a demora no acerto dos ajustes. Em outubro, após reunião na Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, havia afirmado que a fase 1 do acordo seria assinada ainda em novembro.

Internamente, repercutiu no mercado também o déficit de US$ 7,9 bilhões nas transações correntes em outubro, maior que os US$ 5,8 bilhões projetados pelo Banco Central (BC). Os dados voltam a chamar atenção para a saída de divisas do país, movimento que enfraquece o câmbio.

Rombo nas contas externas sobe 41% até outubro e já supera todo ano de 2018
Com dólar alto, gastos de brasileiros no exterior são os menores para outubro em 3 anos
“(As notícias otimistas sobre o comércio) deveriam gerar um movimento de queda do dólar no Brasil, mas aí saíram esses dados sobre conta corrente abaixo do esperado”, explicou Alvaro Bandeira, economista-chefe do banco digital Modalmais, à Reuters.