Votação em asembleia nesta quarta-feira (10) manteve escola na Série A. Membros da Liga pediram, e Jorge Castanheira voltou à presidência da instituição.

 

A Liga Independente das Escolas de Samba do Rio, Liesa, “desvirou a mesa” do carnaval carioca e a escola de samba Imperatriz Leopoldinense será rebaixada, decisão que respeita o resultado dos desfiles deste ano. A “descida” da agremiação foi definida em reunião nesta quarta-feira (10).

Esse foi, segundo a Liesa, o capítulo final do “sobe e desce” protagonizado pelas escolas do Grupo Especial do Rio. No início do mês passado, representantes das agremiações executaram uma manobra para manter a Imperatriz no principal grupo do carnaval.

Depois de protestos e manifestação do Ministério Público fluminense, foi convocada uma assembleia geral na Liesa para resolver o impasse. Participaram 42 membros, entre agremiações e pessoas que fundaram ou são beneméritas da Liga.

O resultado foi 28 votos a favor de respeitar o resultado do carnaval 2019. Assim, a Imperatriz e o Império Serrano caíram para a Série A. Outros 13 membros da assembleia quiseram manter a “virada de mesa”. Houve uma abstenção e a maioria venceu votando pela “desvirada”.

Se fosse mantida, esta seria a terceira manobra consecutiva para evitar o rebaixamento de escolas do Grupo Especial. Para impedir essa prática, no ano passado a Liesa assinou um termo de ajustamento de conduta com o MPRJ.

Caso fosse descumprido, a multa para a Liga seria de R$ 750 mil. Por ter assinado o acordo e discordar pessoalmente da “virada de mesa”, o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, chegou a pedir demissão do cargo.

Após o resultado da reunião desta quarta, Castanheira voltou atrás, a pedido de membros da assembleia. Na próxima semana, deve haver o sorteio da ordem dos desfiles do carnaval 2020.