Robinho critica postura de dirigentes de futebol

Em áudio vazado, Robinho criticou a irresponsabilidade de dirigentes que fecham contratos acima da realidade dos clubes . O jogador também citou as especulações envolvendo uma possível volta de Ricardo Oliveira ao Santos, apontando que apesar da idade avançada, o atacante poderia ajudar a equipe. A Gazeta Esportiva apurou que as falas realmente são do ídolo do Peixe.

O jogador de 36 anos apontou os dirigentes como os principais culpados pelos problemas financeiros no futebol. De acordo com ele, além de oferecer altos salários, os clubes valorizam atletas que não rendem em campo.

“O futebol está assim porque os caras estão com salários altos, ok. Mas quem oferece esses salários altos? O jogado vai no presidente, aponta uma arma e fala: ‘Se você não me pagar 500 mil eu te mato’, é isso? São os clubes que oferecem. Se o clube ofereceu, é porque pode pagar. É só não oferecer”, disse Robinho.


“Todos os clubes têm que se unir e ver o máximo que podem pagar. No máximo é fazer contrato de um ano com esses caras. Só que infelizmente, se um clube não paga o outro vai lá e paga. São os dirigentes que erram. O futebol está uma m****? Sim, porque os caras são burros! Eles pagam pra jogador que não merece”, completou.

Robinho ainda se mostrou favorável ao retorno de Ricardo Oliveira ao Santos. O atacante de 40 anos foi dispensado pelo Atlético-MG e agora busca uma nova equipe. Apesar de o jogador ser especulado no Peixe, o clube aponta que tem outras prioridades no momento.

“Que nem agora, estavam cogitando o Ricardo Oliveira voltar pro Peixão. ‘É jogador velho’. Ok, ele está com a idade avançada, mas faz mais gol que esses caras novos. Aí você pega um cara novo, que está lá, com 700 jogos e três gols. O Ricardo Oliveira, com 40 anos, se voltar vai ser artilheiro do campeonato. Aí depois não quer que o cara peça um salário maior. Então é isso, não oferece o que não pode pagar! Assinou o contrato…não adianta. O choro é livre! O cara pode não jogar bem, ser chinelinho, ficar no departamento médico, mas com contrato assinado paga e acabou!”, concluiu.