Germann reafirma orientação para contabilizar apenas pacientes internados com a doença e disse que conduta é usada em vários países. G1 revelou, em 27 de março, a subnotificação em SP.

O secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, confirmou na tarde desta quarta-feira (8) que existe subnotificação de casos leves de coronavírus em São Paulo. Os pacientes que não ficam internados nas unidades de saúde não são contabilizados no balanço diário da Covid-19 divulgado pela secretaria. O anúncio foi feito em coletiva de imprensa ao lado do governador, João Doria (PSDB).

“Aqueles pacientes que estão em casa, que não farão exames, acabam gerando uma subnotificação em todo o sistema, algo que ocorreu no mundo inteiro da doença, do Covid-19, onde 80% dos pacientes não se faz nada com eles, não existe tratamento, não é feito tratamento ou investigação. Pode passar no médico, faz uma consulta e fica por isso mesmo. Então não tem essa notificação [dos casos leves]”, disse Germann em coletiva de imprensa


A orientação repassada a hospitais e postos de saúde para notificar apenas pacientes internados com o novo coronavírus foi revelada pelo G1 em 27 de março e provocou manifestação do Ministério Público de Contas do estado, que pediu que o governo voltasse a registrar em sistema todos os casos da doença, sejam eles leves ou graves.

Na última quinta-feira (2), a Promotoria de Direitos Humanos do Ministério Público do Estado de São Paulo também instaurou inquérito civil para apurar a orientação de que apenas pacientes internados devem ser registrados em sistema e submetidos ao exame laboratorial.

Segundo Germann, a inclusão da notificação não está relacionada à gravidade da doença, mas à necessidade de internação. “Não é para os mais graves, é para aqueles pacientes que necessitam tratamento hospitalar, mesmo de baixa complexidade. Uma vez internado é obrigatória a existência do exame”, disse o secretário nesta quarta.

Nacionalmente, a orientação do Ministério da Saúde é fazer exames laboratoriais para coronavírus apenas em pacientes graves. No entanto, o Ministério aceita notificações da doença com base em diagnóstico clínico epidemiológico, ou seja, sem a necessidade de teste, desde o dia 17 de março. Apesar disso, funcionários de unidades de saúde de São Paulo afirmam que são orientados a não notificar em sistema os casos sem o exame.

“A testagem para coronavírus será feita em casos graves, os pacientes internados. Nos demais casos, considerados leves, será levado em conta o critério clínico epidemiológico. Por exemplo, o médico atendeu, viu que é um paciente jovem, cuidou do pai com coronavírus e apresenta sintomas, o médico notifica como caso da doença”, afirma o ministério em nota do dia 17 de março.