Mortes no trânsito aumentaram 21,42% em Araçatuba no ano passado; Região também teve aumento

Mortes no trânsito aumentaram 21,42% em Araçatuba no ano passado; Região também teve aumento

Nessa semana o Infosiga SP, sistema do Governo do Estado gerenciado pelo programa Respeito à Vida e Detran.SP, divulgou os números dos acidentes fatais registrados em todo o Estado de São Paulo. Nas vias urbanas de Araçatuba, sob responsabilidade da administração municipal, foram 17 mortes, o que representa aumento de 21,42% em relação às fatalidades registradas em 2019, quando houve 14 vítimas. Proporcionalmente, o trânsito de Araçatuba matou mais do que São José do Rio Preto, que teve 23 vítimas fatais. Já Presidente Prudente (10) e Araraquara (15), cidades maiores do que Araçatuba, tiveram menos mortes. Nestas cidades há rigoroso controle de velocidade por meio de fiscalização eletrônica. As multas por excesso de velocidade chegam a 50% do total de autuações. Além disso, há programa de educação e conscientização no trânsito.

Sem dispositivo de fiscalização de velocidade, o trabalho dos agentes de trânsito do município consiste em autuar por estacionamento em desacordo com a sinalização (zona azul), não uso de cinto de segurança e dirigir e falar ou manusear o telefone celular.

Ao longo do ano passado, Araçatuba registrou 3 mortes em janeiro, 1 em março, 2 em abril, 1 em maio, 2 em junho, 3 em setembro, 2 em outubro e 3 em novembro.

Segundo os novos dados do Infosiga SP a região administrativa de Araçatuba registrou aumento de 3% nas fatalidades de trânsito em 2020. No ano, foram 117 fatalidades contra 114 em 2019. Já o Estado de São Paulo teve o menor número de fatalidades de trânsito desde o início da série histórica, em 2015. Foram 5.023 óbitos causados por acidentes em 2020, índice 7,6% menor na comparação com 2019 (5.439) e 22,3% menor do que o registrado há cinco anos (6.466).

“O Governo do Estado, em parceria com a sociedade, tem empreendido uma série de iniciativas para combater a violência no trânsito. Investimentos em obras, educação e fiscalização geraram uma queda contínua nos índices. Temos ainda um longo caminho pela frente, mas seguimos nessa jornada com base em inteligência e inovação para gerar projetos eficazes e que salvam vidas”, afirma o diretor-presidente do Detran.SP, Ernesto Mascellani Neto.