Conseguiu fugir dos agressores, mas não quis falar a respeito do caso com a polícia, que segue a investigação

O adolescente de 16 anos que teria sido sequestrado na noite do último domingo (7) em Birigui (SP), já voltou para casa. Apresentando ferimentos, ele não quis informar à polícia o que aconteceu.

O boletim de ocorrência comunicando o crime foi registrado por uma irmã do adolescente, ainda na noite de domingo. Ela contou que o irmão estava sentado na calçada em frente à casa da namorada, no residencial São José, quando foi surpreendido por dois casais em um GM Onix.

Ele teria sido agredido com chutes e socos por uma das mulheres, que teria dito que ele iria aprender a não roubar casa de polícia. Em seguida, o adolescente teria sido colocado no porta-malas do carro e levado do local.

O Hojemais Araçatuba apurou que ainda na segunda-feira (8) a Polícia Civil havia recebido informações de que o adolescente teria voltado para casa, mas não conseguiu encontrá-lo, o que aconteceu apenas na tarde de hoje.

Segundo o que foi apurado pela reportagem, ele apresenta hematomas em um dos olhos, tem escoriações nas costas e uma marca no pescoço.

O inquérito que foi instaurado para investigar o caso é conduzido pelo delegado Eduardo Lima de Paula, que informou que o adolescente não quis falar o que aconteceu.

Entretanto, a irmã dele, que denunciou o caso à polícia, contou que o irmão voltou para casa na madrugada de ontem. Ele confirmou para ela que foi agredido e conseguiu fugir.

Segundo o que foi relatado à polícia, os autores da agressão são pessoas que foram vítimas de um furto cometido por ele na manhã do domingo, mas não seriam policiais. A irmã do adolescente disse à polícia que os autores teriam gritado aquilo na hora que pegaram ele para despistar.

Ainda de acordo com ela, o irmão disse que não falaria onde praticou o furto para não responder pelo ato infracional e por ter medo de voltar a ser agredido ao obter a liberdade, caso venha a ser custodiado.

Após ser ouvido, o adolescente foi liberado e a investigação terá sequência para tentar encontrar os autores. “A Polícia Civil seguirá em busca de testemunhas e outras provas que auxiliem na identificação dos autores e esclarecimento do crime”, afirma o delegado.
Fonte; Hojemais