Equipe abre sete pontos na ponta, mas torcida tem motivos (e memória fresca) por cautela

O São Paulo é favorito ao título do Campeonato Brasileiro de 2020, o que só vai terminar em 2021. Favoritismos mudam de mãos ao passar das rodadas, não são sentenças com trânsito em julgado, mas não há nenhum outro time, neste momento, com credenciais melhores do que o de Fernando Diniz para ficar com a taça.

O jogo contra o Botafogo, na última quarta-feira, no Morumbi, uma vitória irretocável por 4 a 0, foi o último da série de três partidas atrasadas que o São Paulo tinha a fazer no Brasileiro. A equipe igualou o número de jogos do Atlético-MG, vice-líder, e abriu sete pontos de vantagem na liderança. E ainda marcou a conquista simbólica do primeiro turno.

O torcedor são-paulino, porém, prefere a cautela. E tem motivos para isso. O time que hoje impressiona pela confiança, pelo poder ofensivo e pela consistência na defesa, já foi um time vacilante, que tomava gols com facilidade, que sofreu eliminações vexaminosas, que teve seu técnico se segurando ao cargo por um fio mais de uma vez – isso tudo nesta mesma temporada.

No Brasileiro, porém, mesmo oscilando e com alguns resultados ruins, sempre se manteve no primeiro pelotão, até quando começou a ter jogos adiados por causa das disputas da Copa do Brasil e da Copa Sul-Americana. Foi o que permitiu saltar à liderança quando o time encaixou em novembro – já são 17 rodadas sem derrotas no Brasileiro.