Marcelo Aloizio de Arruda, de 50 anos, foi morto a tiros na própria festa de aniversário por um policial penal federal que invadiu o evento, na noite de sábado (9); esposa da vítima tentou parar atirador.

Imagens de uma câmera de segurança externa registraram o momento em que um apoiador do presidente Bolsonaro discute com o tesoureiro do PT Marcelo Aloizio de Arruda, antes de matá-lo a tiros.

A vítima, de 50 anos, era guarda municipal e foi morta na própria festa de aniversário, no sábado (9), em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

As imagens da câmera de fora do salão onde ocorria a festa de Marcelo mostram que, após discutir com a vítima e sair do local, o policial penal federal Jorge Guaranho retornou atirando. Assista, no vídeo acima.

A esposa do tesoureiro tentou impedir os tiros, mas não conseguiu.

Guaranho se identifica em redes sociais como apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL). A delegada Iane Cardoso, que apura o caso, disse que investiga se as motivações do crime envolveram conflito político entre os dois.

Os vídeos mostram o momento em que o policial penal chegou de carro e parou na porta da festa. Ele fez uma manobra e virou o carro. Marcelo e a esposa saíram e houve uma discussão.

Depois de alguns segundos, Jorge foi embora. Ele voltou ao local minutos depois no mesmo carro, desceu do veículo e atirou ainda do lado de fora.

O atirador, em seguida, entrou no salão de festas, onde disparou outros tiros contra Marcelo.

Tiros dentro do salão

Uma outra câmera, instalada dentro do salão onde ocorria a festa de aniversário, registrou o momento em que o tesoureiro do PT foi baleado.

Ao ser atingido por Guaranho, Marcelo Arruda, que estava armado, revidou. Nas imagens da câmera, Marcelo aparece caindo no chão do salão.

O atirador fez então outros disparos, conforme mostra o vídeo. Em seguida, uma mulher – que, segundo a polícia, seria a esposa de Marcelo – tentou impedir que o atirador continuasse e o empurrou.