Três meses após decretar o primeiro ‘lockdown’ do Brasil, cidade tem crescimento de infectados e ocupação de leitos volta a ser de 100%. Falta de distanciamento social é uma das razões segundo prefeitura e médicos, que pedem colaboração da população até que vacinação seja completada.

A média móvel do número de casos de Covid-19 em Araraquara (SP) subiu 235,8% de maio a junho e colocou o município, que tem 22.808 casos e 459 mortes desde o início da pandemia, em estado de alerta máximo para a possibilidade de um novo confinamento.

Para a prefeitura e dois médicos da cidade ouvidos pelo G1, a falta de colaboração da população que não respeita o distanciamento social e a vacinação lenta são algumas das justificativas para a atual situação da cidade.

Em fevereiro, o município de 238 mil habitantes foi o primeiro do país a ter 10 dias de confinamento para conter a doença. Os números de internações, casos e mortes caíram após as medidas mais restritivas mas, nas últimas semanas, voltaram a crescer. Na sexta-feira (4), Araraquara bateu recorde de casos em 24 horas: foram 252 registros (veja gráfico abaixo).

O crescimento de casos aumentou a pressão sobre o sistema municipal de saúde que voltou a atingir, após 90 dias, taxa de ocupação de UTI/SUS de 100%, na quarta-feira (9).

Outro motivo de preocupação é que até sexta-feira (4), a maioria dos pacientes internados em Araraquara era de outros municípios e até de outros estados. Já no sábado (5), o número de pacientes locais internados era o mesmo de pacientes de fora da cidade e, já partir do domingo (6), os moradores da cidade passaram a ser a maioria entre os internados nos leitos de Araraquara.

Nesta quarta-feira (9) a divisão era de 100 moradores de Araraquara e 92 pacientes que são de outras cidades. Além disso, há dois dias, Araraquara tem pacientes à espera de leitos para internação em UTI.