A balança comercial de Birigui apresentou superávit de US$ 15,59 milhões no acumulado do ano (janeiro-outubro de 2019). As informações foram divulgadas nesta quarta-feira, 20 de novembro, pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti).

Os dados foram compilados pelo Observatório de Inteligência Econômica da Sedecti junto ao Ministério da Economia. Segundo o governo federal, as exportações totalizaram US$ 28,02 milhões e as importações US$ 12,43 milhões.

“As exportações apresentaram uma redução de 7,25% em comparação ao mesmo período do ano passado em decorrência da queda das exportações para o Chile (-78,8%), Uruguai (-66,7%) e Argentina (-27,5%)”, disse o economista Marco Aurélio Barbosa de Souza, diretor da Sedecti.

Segundo ele, as importações reduziram 9,8% no comparativo influenciadas pela queda das compras provenientes da Coréia do Sul (-35,4%), Uruguai (-26,4%) e China (-4,9%).

Foram 43 empresas exportadoras e 27 importadoras que realizaram intercâmbio com o exterior.

“Destacou-se positivamente a quantidade de países que receberam produtos das empresas biriguienses entre janeiro e outubro do ano: mais de 60 países”, frisou o diretor.

Os principais produtos exportados pelas empresas locais foram calçados, soja, transformadores, máquinas e equipamentos. O ranking dos produtos exportados evidencia uma pauta exportadora diversificada composta por produtos industrializados e commodities.

Por outro lado, a pauta de importação está concentrada em bens intermediários (insumos, matérias primas e componentes), que são utilizados pelas empresas locais no processo produtivo e também máquinas e equipamentos.

Com relação aos principais países compradores dos produtos biriguienses, os destaques foram para a China (32% do total), Bolívia (11%), Venezuela (8,3%) e Equador (7,0%).

Já com relação as importações, os três grandes fornecedores foram a China (com 53%), Coréia do Sul (12%) e Uruguai (7,1%).

O relatório integra o projeto Observatório de Inteligência Econômica, que vem sendo desenvolvido pela Prefeitura de Birigui, por meio da Sedecti.

“Essa estrutura é responsável por realizar estudos e pesquisas econômicas e acompanhar a evolução dos indicadores econômicos da cidade”, completou o prefeito de Birigui.

O objetivo é suprir as demandas de informações e conhecimento dos agentes econômicos do município e subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas voltadas a geração de emprego, renda e ao desenvolvimento local.