Com 13 votos favoráveis e um contrário, o agora ex-parlamentar se envolveu em casos de agressão e denúncias de assédio

Com treze votos favoráveis, um contrário e uma abstenção a cassação teve como base relatório de CP (Comissão Processante) composta pelos vereadores Geraldo Shiomi Junior (PTB), Hernani Silva (Podemos) e Silas Carlos de Oliveira (PDT).

Com a condenação, a Câmara irá comunicar a Justiça Eleitoral de Andradina para que no prazo de 15 dias seja dado ciência ao parlamentar que deve assumir como suplente. Depois disso, o presidente da Casa, vereador Carlos Alexandre Soares (MDB) irá marcar uma sessão solene para posse.

Durante a sessão desta terça (16) cada vereador teve 15 minutos para utilizar a tribuna. A defesa de Mário Gay fez a sustentação de sua peça, enquanto processo também foi lido para a plateia presente e público que assistia pela internet.

Pesaram contra Mário Gay dois escândalos que fizeram com que sua credibilidade junto à opinião pública diminuísse. No ano passado, o ex-parlamentar foi filmado agredindo uma professora no meio da rua. Em outro caso que também foi acusado pelo Ministério Público, ele foi apontado por assédio a um assessor. Nesse caso, o ex-vereador foi considerado inocente pela Justiça de Andradina

No começo deste mês, Mário Gay foi denunciado pelo Ministério Público novamente, dessa vez por improbidade administrativa. O ex-vereador teria cobrado “pedágio” de um assessor. Segundo o MP, o funcionário teria sido coagido a devolver ao então vereador determinada quantia de seu salário. Ao fazer denúncia à polícia do esquema, o assessor foi demitido.