A Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento estima que na região abrangida pelo Escritório de Desenvolvimento Rural de Araçatuba, totalizando 18 municípios, serão cultivados 45 mil hectares de soja. No entanto, a poucos dias de encerrar a janela ideal para plantio (30 de novembro), apenas 70% da área foi cultivada. Os produtores não tiveram condições climáticas favoráveis para fazer o plantio.

Além disso, quem já plantou está preocupado, pois a falta de chuva pode comprometer a produtividade. “A situação é preocupante. Mas ainda é muito cedo para falar em perdas, pois se o ciclo de chuvas se normalizar é possível a recuperação”, disse Jorge Hopólito, diretor do Núcleo de Produção de Sementes de Araçatuba, órgão da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS).


Segundo Hipólito, neste período toda a área deveria estar plantada para que a colheita em março e abril de 2020 e em seguida o plantio do milho safrinha. Com o atraso no plantio da soja, podem haver comprometimento até mesmo no plantio da safrinha. Isso prejudica toda a programação do produtor, principalmente quem arrenda terra para plantar e precisa aproveitar adequadamente todo o período do arrendamento.


Quanto às lavouras já cultivadas, Jorge Hipólito afirmou que é muito difícil fazer uma previsão de safra, pois vários fatores devem ser considerados, como as elevadas temperaturas, umidade e tipo de solo e a variedade plantada. Ele afirmou que não dá para falar em percentuais de quebra na safra, mas admitiu que já existe muita preocupação no setor.

“Até mesmo produtores com sistema de irrigação não estão conseguindo o volume ideal de água devido à precariedade dos açudes, que estão com volume baixo. Tudo isso pode afetar a produção”, disse o engenheiro agrônomo.


Com o cultivo de 45 mil hectares, a previsão era colher 2,5 milhões de sacas e ter uma receita de aproximadamente R$ 200 milhões. Mas tudo isso pode estar sendo comprometido pela instabilidade climática. Além de dificilmente chegar aos 45 mil hectares plantados, o estresse hídrico pode comprometer a produtividade. Na região, a produtividade média é de 50 a 55 sacas por hectare.
No caso de queda na produtividade, muitos produtores podem enfrentar sérios problemas financeiros. Hoje, o custo de produção da soja é de até 40 sacas por hectare. Caso a produtividade tenha redução significativa, o produtor pode até mesmo não cobrir os custos. Se for em terra arrendada, a situação é ainda mais preocupante.