Relatório da Human Rights Watch aponta piora em indicadores de mortalidade infantil e doenças evitáveis por vacinas. ONG norte-americana também alerta para impactos em Roraima.

A Venezuela está sob “emergência humanitária complexa”, afirma relatório da ONG norte-americana Human Rights Watch divulgado nesta quinta-feira (4). Observadores da organização e especialistas em saúde pública examinaram o colapso médico venezuelano, com aumento na transmissão de doenças infectocontagiosas no país.

No texto, a Human Rights Watch pede à Organização das Nações Unidas uma “resposta contundente” ao regime de Nicolás Maduro. Segundo o relatório, o governo chavista não só se provou ineficiente para conter a crise como a piorou e “se esforçou para suprimir informações sobre a dimensão e a urgência dos problemas”.

De acordo com a ONG norte-americana, os pesquisadores encontraram problemas como:

Piora nos indicadores de mortalidade materna e infantil;
Disseminação de doenças evitáveis por meio de vacinas, como sarampo e difteria;
Aumento na transmissão de doenças infecciosas como malária e tuberculose;
Segurança alimentar em situação crítica;

Desnutrição infantil.

Mãe em situação de pobreza dá banho em filho na Venezuela: ao menos 22% das crianças menores de 5 anos sofrem de desnutrição crônica no país — Foto: Carlos García Rawlins/Arquivo/Reuters Mãe em situação de pobreza dá banho em filho na Venezuela: ao menos 22% das crianças menores de 5 anos sofrem de desnutrição crônica no país —

No relatório, a ONG menciona dados da Organização Pan-Americana de Saúde que indicam apenas um caso de sarampo registrado entre 2008 e 2015 na Venezuela. Desde junho de 2017, o número de casos confirmados da doença ultrapassou 6,2 mil.

A Human Rights Watch também alerta que o colapso na saúde pública na Venezuela se agravou por causa do desabastecimento de comida sofrido pelo país. Um relatório da ONU divulgado na semana passada mostrou que 3,7 milhões de venezuelanos estão desnutridos.

Por isso, a organização diz que vai pedir às Nações Unidas que priorizem ações humanitárias na Venezuela e que exijam das autoridades venezuelanas acessos detalhados e completos sobre saúde e abastecimento.

Além de alimentos, remédios e itens de higiene básica estão incluídos nos pacotes de ajuda humanitária retidos na fronteira entre a Venezuela e os vizinhos Brasil e Colômbia. Na semana passada, a Federação Internacional Cruz Vermelha afirmou que “tem caminho livre” para iniciar a distribuição dos carregamentos, incluindo aqueles bloqueados pelo regime de Maduro.