Temperatura foi atingida nos arredores do aeroporto de Heathrow, em Londres. Calor na Europa já matou mais de mil pessoas e causou centenas de incêndios ainda ativos.

O Reino Unido chegou nesta terça-feira (19) a maior temperatura da sua história. Os termômetros nos arredores do aeroporto de Heathrow, em Londres, marcaram 40,2°C.

O serviço nacional de meteorologia do país, o Met Office, confirmou que essa foi o maior pico de calor desde que o início das medições.

Como ao longo do dia as temperaturas ainda devem subir, o recorde está sendo considerado temporário. Mais cedo, as temperaturas já haviam atingido a maior temperatura até então registrada na história do país, de 39,1ºC na cidade de Charlwood, no sul.

Antes das temperaturas de hoje, o recorde antigo no Reino Unido era de 38,7°C, alcançado em 2019, quando a Europa também enfrentou uma onda de calor, embora menos intensa que a deste ano.

A onda de calor que tem atingido a Europa nos últimos dias está seguindo para o norte do continente, uma região tipicamente mais fria, e onde o ar-condicionado é um item raro, além de os prédios serem construídos para reter o calor.

Por conta disso o Estado do Reino Unido emitiu um alerta vermelho para o calor, o que significa que há um risco potencial de vida.

Segundo meteorologistas, a atual onda de calor pode, inclusive, antecipar em 28 anos uma previsão climática feita para o Reino Unido. A estimativa dos britânicos era de que em 2050 o verão teria temperaturas de 40ºC, o que já pode ser realidade nesta semana. (leia mais sobre isso aqui)

Mortes e incêndios
Desde o início da onda de calor que atinge a Europa no verão do continente em 2022, mais de 1000 pessoas já morreram em decorrência das altas temperaturas, segundo órgãos de saúde da Espanha e de Portugal.

Além disso, Portugal, França e Espanha sofrem com diversos incêndios florestais. Na França, dezenas de milhares de pessoas tiveram que deixar suas casas.