Prefeitura diz que enviará novo projeto para a Câmara para concessão de aporte financeiro para a empresa Viação Suzano


Com salários atrasados e promessas não cumpridas, os motoristas que trabalham para a Viação Suzano, concessionária do transporte público e urbano de Birigui (SP), podem parar as atividades no município.

Atualmente, a empresa opera com apenas três linhas, do total de dez previstas no contrato, alegando falta de condições financeiras e de passageiros. A Secretaria de Segurança Pública e Mobilidade Urbana de Birigui afirma que enviou ofício à empresa solicitando a retomada das atividades imediatamente. O município também deve conceder um novo aporte financeiro.

Conforme denúncia de funcionários ao Hojemais Araçatuba, no mês de janeiro a empresa pagou apenas parte do salário referente ao mês de dezembro, prometendo que faria o pagamento da diferença no dia 1º de fevereiro para compensar o atraso. Teriam sido pagos apenas dois terços do salário, o equivalente a 20 dias trabalhados.

No último dia 1º não houve nenhuma manifestação da empresa para quitar o compromisso, que acabou sendo transferido para o dia 5, o que também não aconteceu.

Após pressão dos funcionários, a empresa marcou uma reunião para a última segunda-feira (8). No entanto, o representante da Viação Suzano não compareceu, alegando que estava tentando resolver sobre os pagamentos no Departamento Financeiro. A nova promessa seria de pagar os salários ainda ontem – também não foi cumprida até hoje.

Acionado pelos trabalhadores, o presidente do Sicovel (Sindicato dos Condutores de Veículos Rodoviários), cuja sede é Lins, José Carlos Pereira dos Santos, esteve em Birigui na segunda-feira para tratar sobre o transporte.

Ele foi recebido na Prefeitura pelo secretário de Administração, Milton Paulo Boer, pelo secretário-adjunto de Mobilidade Urbana, major Elizeu Fraga do Rego, pelo chefe de Gabinete, Alex Brasileiro, e pelo diretor do Deptrans (Departamento de Trânsito), Wagner Roberto Pedrosa.

Questionada sobre a reunião, a Prefeitura informou que ficou decidido que enviará à Câmara um projeto de lei para conceder novo aporte financeiro para a empresa Suzano, mas com a garantia de pagamento dos funcionários.

Segundo o chefe de Gabinete, a reunião foi produtiva e ficou acertado que haverá uma fiscalização para garantir que a empresa faça os repasses. Não foram informados valores e nem o tempo de duração desse novo aporte.

A Secretaria de Segurança Pública e Mobilidade Urbana também afirma enviou ofício à empresa solicitando a retomada das atividades imediatamente. “No dia 26 de janeiro também pediu, por meio de ofício, informações sobre a documentação dos veículos, mas até o momento não houve retorno”, disse em nota.

Presidente do Sicovel, José Carlos Pereira dos Santos, foi recebido na Prefeitura para falar sobre a situação dos trabalhadores (Foto: Divulgação)
Presidente do Sicovel, José Carlos Pereira dos Santos, foi recebido na Prefeitura para falar sobre a situação dos trabalhadores (Foto: Divulgação)
Denúncias

Desde o início do ano, mesmo após receber R$ 150 mil de subsídio da Prefeitura, a Suzano mantinha apenas dois ônibus para atender os usuários do serviço. O número é bem menor do que o previsto em contrato, que seria de pelo menos 12 veículos, dois deles extras para serem utilizados em caso de emergência.

Das dez linhas previstas em contrato, apenas quatro estavam sendo atendidas, sendo um ônibus para duas linhas (Portal da Pérola – Colinas e Quemil – Toselar), com intervalo de duas horas para cada viagem.

Além do número reduzido, há informação de que todos os ônibus da empresa estariam com documentação irregular, sendo um deles apreendido.

Nesta semana, após cobranças da Prefeitura, a empresa colocou um terceiro veículo em circulação, que atende os bairros São Conrado – Jardim do Trevo. O intervalo de saída também é a cada duas horas.

As linhas circulam de segunda a sexta-feira, das 5h10 às 18h30, e aos sábados, das 6h30 às 14h30. No entanto, quando há poucos passageiros, a ordem da empresa aos motoristas é suspender o serviço antes desse horário. Aos domingos, não há transporte.
Fonte: Hojemais