Dilador responde à CPI e libera servidores para serem ouvidos

O prefeito Dilador Borges (PSDB) respondeu ao ofício enviado pelos vereadores que participam da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), e autorizou que os servidores solicitados para darem declarações sobre os contratos investigados na Operação #TudoNosso sejam ouvidos na próxima semana pelos edis. A CPI investiga os contratos supostamente fraudados entre a Prefeitura de Araçatuba e as empresas IVVH e SEN. Essas companhias foram apontadas no inquérito da PF (Polícia Federal), tendo como dono o sindicalista, empresário e pecuarista José Avelino Pereira, conhecido como Chinelo. A previsão é de que quatro servidores que operacionalizaram estes contratos sejam ouvidos na próxima quarta-feira (23).

A CPI é formada pelos vereadores Dr Alceu (PV), presidente; Dr. Jaime (PTB), relator; Dr. Almir (PSDB), terceiro membro titular; Dr. Flávio Salatino (MDB), primeiro suplente; e Gilberto Batata Mantovani (PL), segundo suplente.

O presidente da comissão explicou para a reportagem da Folha da Região que, após a entrega dos ofícios solicitando autorização para ouvir os servidores que operacionalizaram as licitações, onde ambas empresas ligadas a Chinelo ganharam, ele recebeu uma ligação de um funcionário do serviço social que relatou os nomes das pessoas que seriam auorizadas.

“Oficiamos o prefeito para que ele encaminhasse para nós as pessoas que seriam ouvidas. Recebi a ligação de um servidor municipal que passou o nome das cinco pessoas que serão ouvidas na quarta-feira (23), às 16h. Um destes servidores está de férias, então, creio que ele será chamado em outra oportunidade. Essas pessoas operacionalizaram os contratos com o IVVH e são peças fundamentais na investigação”, informa.

Apesar de possuir parte do inquérito em mãos, a Comissão ainda possui uma grande questão em relação aos documentos da PF que estão em sigilo. Alceu explicou em entrevista concedida no dia 13 de outubro que está buscando alternativas para obter os papéis. “Já vieram as cópias, como já disse, e também tem uma parte (do inquérito), que está em sigilo. Estou pedindo essa parte que ainda não tivemos acesso para as investigações. Mas, já começamos nosso trabalho”, informou na ocasião.