Steve Bannon, preso nos EUA sob acusação de desviar dinheiro de campanha para construir muro anti-imigração nos EUA, já participou de jantar na embaixada do Brasil em Washington em 2019 com a presença do presidente Jair Bolsonaro.

Steve Bannon, o ex-estrategista da Casa Branca preso nesta quinta-feira (20) tem uma relação com o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL/SP) e já esteve em um evento com o presidente Jair Bolsonaro, em março de 2019.

A promotoria federal de Nova York acusa Bannon de ter desviado dinheiro de uma campanha cujo propósito seria construir um muro entre os Estados Unidos e o México.

Bannon é líder do grupo The Movement, que reúne conservadores no mundo todo. Em janeiro de 2019, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), disse em uma rede social que Bannon o escolheu para liderar o movimento no país. “Satisfação em ser o líder do The Movement para América Latina ao lado de Steve Bannon”, escreveu Eduardo na legenda de uma imagem em que aparece abraçado a Bannon.

No mês seguinte, fevereiro de 2019, Eduardo publicou outra foto ao lado de Bannon. “Bate papo agradável agora com Steve Bannon, unindo forças contra o domínio cultural esquerdista/marxista”, disse o deputado. A marcação na rede social indica que os dois estavam em Washington.

Em março daquele ano, Bannon encontrou-se com o presidente Bolsonaro em um evento na embaixada do Brasil nos EUA definido pelo Palácio do Planalto como “jantar com formadores de opinião”, em Washington. Bannon sentou-se do lado esquerdo de Bolsonaro – à direita estava o escritor Olavo de Carvalho.