Moradores de ocupações na periferia de Petrolina enfrentam a incerteza sobre quando e o que vão comer.

Alane Maria da Silva, o marido, irmão e os dois filhos moram em uma ocupação conhecida como Vila Santa Helena, na periferia de Petrolina, Sertão de Pernambuco. A casa de tábua tem um quarto, cozinha e um banheiro, que fica do lado de fora. Além da falta de infraestrutura do local, diariamente a família vive a incerteza de saber como irá se alimentar.

Mulheres negras estão ‘à deriva’, diz diretora de ONG; 6 a cada 10 lares chefiados por pretos ou pardos enfrentam insegurança alimentar
Desempregada dorme em um único colchão com os nove filhos e come arroz e feijão todos os dias: ‘Não sobra muita coisa para comer’
Professora desempregada enfrenta insegurança alimentar em Aracaju: ‘Prefiro dar o que tiver para o meu neto’

“A gente aqui está passando um sufoco danado, só Deus na causa mesmo”, diz Alane. Na sexta-feira, 22 de julho, a família contou com a cesta básica entregue durante uma ação social na comunidade. De manhã, as duas crianças e os três adultos tomaram café preto e comeram cuscuz.

De tarde “almoçamos um arroz e macarrão”, diz Alane, que completa: “nem ovo tem”. A refeição da noite, segundo a dona de casa, é uma incógnita. “Às vezes tem, às vezes não”.

Na família de Alane, os três adultos estão desempregados. Ela recebe o Auxílio Brasil. As refeições, segundo a dona de casa, não são feitas no fogão. “Eu cozinho de lenha, porque o gás está caro e não tenho condições de comprar”.

Na casa de Alane, o almoço foi arroz e macarrão — Foto: Arquivo pessoal
Na casa de Alane, o almoço foi arroz e macarrão — Foto: Arquivo pessoal

Na Vila Santa Fé moram cerca de 50 famílias, com situações bem parecidas. Em uma das casas da comunidade, moram Adriana Alvarenga, o marido e quatro filhos. Movidos por uma oferta de emprego, com direito a casa, a família saiu de São Paulo em direção a Petrolina.

Chegando na nova cidade, descobriram que a promessa era falsa. Hoje, os seis moram em uma casa de madeira, com quarto e banheiro. O aluguel, de R$ 150, é pago com o dinheiro do auxílio que Adriana recebe. Assim como na casa da vizinha Alane, comer não tem sido tarefa fácil.