Técnico do Palmeiras seguirá com o rodízio no elenco e, para a próxima quarta, equipe deve ser bem diferente daquela que venceu o Fortaleza na estreia do Brasileirão

O técnico Felipão projeta cinco ou seis mudanças no time titular do Palmeiras para o jogo da próxima quarta, contra o CSA, pela 2ª rodada do Campeonato Brasileiro. Assim como fez no último domingo, quando mudou três peças em relação ao time que venceu o Melgar, pela Copa Libertadores, no meio da semana, o comandante do Verdão seguirá com seu rodízio de jogadores.

As seguidas mudanças não são novidade alguma no Palmeiras. Desde o ano passado, quando o time venceu o Brasileirão e chegou até as semifinais da Copa do Brasil e da Copa Libertadores, a comissão técnica adota este modelo. A ideia é dar ritmo de jogo para todo o elenco e prevenir lesões.

– Vamos tentar rodar a equipe. Temos alguns jogos importantes. Temos que montar algumas coisas e vou fazer igual no ano passado, trocando cinco ou seis peças por jogo – explicou o treinador logo após a vitória, por 4 a 0, no
Fortaleza, na estreia do time no Brasileirão.

Contra o Melgar, no Peru, Felipão havia começado o jogo com Mayke, Victor Luis e Zé Rafael entre os titulares. Já no último domingo, no Allianz Parque, Marcos Rocha, Diogo Barbosa e Ricardo Goulart ganharam a oportunidade de iniciarem a partida. Contra o CSA, na quarta, novas mudanças serão feitas no Alviverde.

O Palmeiras disputa três competições de forma simultânea. Além do Brasileirão, competição que defende o título, o Alviverde está na Copa Libertadores – já classificado de forma antecipada para o mata-mata – e também na Copa do Brasil, onde o time aguarda o sorteio da CBF para conhecer seu adversário nas oitavas de final.

Por conta do calendário apertado e da ambição do clube em disputar todas as competições em alto nível, a comissão técnica entende que é necessária a aplicação do rodízio. Desta forma, estimula a competitividade no elenco, evita lesões por desgaste físico e mantém o padrão de jogo.