Estádio na fronteira com o território autônomo está ocupado por soldados, caminhões e blindados de transporte de tropas.

Forças da polícia militar da China estavam concentradas nesta quinta-feira (15) em um estádio de Shenzhen, cidade vizinha ao território autônomo de Hong Kong. As imagens de soldados, caminhões e blindados de transporte de tropas impulsionaram rumores de uma invasão iminente.

Como manifestantes usam Tinder, Uber e Pokémon Go para organizar protestos e fugir da polícia
Após mais de dois meses de protestos a favor da democracia no território semiautônomo, Pequim deu a entender nas últimas semanas que poderia empregar a força para restabelecer a ordem na antiga colônia britânica.

Na quarta (14), o governo chinês criticou agressões “de tipo terrorista” contra seus habitantes que aconteceram na terça (13) durante os confrontos no Aeroporto Internacional de Hong Kong.

Satélite mostra exército chinês perto da fronteira com Hong Kong

Polícia usa spray de pimenta para dispersar os manifestantes dentro do aeroporto de Hong Kong nesta terça-feira (13). — Foto: Thomas Peter/Reuters
Polícia usa spray de pimenta para dispersar os manifestantes dentro do aeroporto de Hong Kong nesta terça-feira (13). — Foto: Thomas Peter/Reuters

Desde sexta-feira (9), manifestantes pró-democracia ocupavam o terminal aéreo. Na segunda (12) e terça-feira, os atos provocaram a suspensão dos voos. Como centenas de voos foram cancelados, o caos aéreo gerado pelos protestos ainda não foi totalmente sanado.

Com paralisação do aeroporto, os protestos em Hong Kong entraram em uma nova etapa. Os manifestantes mostraram que têm capacidade de suspender o funcionamento dessa importante porta de entrada do centro financeiro asiático – e podem vir a forçar a paralisação de atividades em outros setores da cidade.