Taxa de incidência de dengue é de 580% em relação ao tamanho da população; município soma 214 casos positivos

Guararapes investe na nebulização para tentar impedir avanço da dengue (Foto: Divulgação)
Guararapes investe na nebulização para tentar impedir avanço da dengue (Foto: Divulgação)
A Prefeitura de Guararapes divulgou nota nesta segunda-feira (18), informando que o município encontra-se em epidemia de dengue. Segundo a Vigilância Epidemiológica do município, até o momento foram registrados 214 casos positivos da doença.

Com isso, a taxa de incidência de dengue é de 580% em relação ao tamanho da população. Segundo a administração municipal, o Ministério da Saúde prevê que o estado de epidemia é declarado quando essa taxa supera os 300%.

Ainda de acordo com a Prefeitura, em janeiro foi realizada a última ADL (Avaliação de Densidade Larvária), que apontou índice de 1,17% de infestação, enquanto o limite aceitável pelo Ministério da Saúde é até 1%.

Para combater o avanço da doença, que em 2015 causou mortes em Guararapes, a Vigilância Sanitária aplica inseticida nas áreas onde há casos positivos.

A busca por criadouros também é feita mediante visita casa a casa. Entretanto, desde o início de janeiro, 293 proprietários ou moradores não permitiram a entrada nos imóveis para a nebulização.

Diante do alto número de recusas, a Prefeitura tem solicitado ajuda da Polícia Militar para que os agentes da Vigilância Sanitária possam executar esse trabalho de combate aos criadouros do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.

Uma reunião foi realizada pelo Departamento de Saúde de Guararapes nesta segunda-feira (18) discutir estratégias de monitoramento e combate à dengue no município. A intenção, de acordo com a Prefeitura, é sensibilizar os moradores para que percebam a importância de fazer parte desta luta.

O encontro aconteceu na UBS (Unidade Básica de Saúde) Dr. Norman Storto, também conhecida como Postão. Participaram as equipes técnicas da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias), da Atenção Básica, do Instituto Adolfo Lutz e da Vigilância Sanitária e Epidemiológica do Estado.

Os participantes discutiram ainda sobre a circulação do sorotipo 2 da dengue na região. Segundo nota divulgada, é preciso alertar os moradores, pois se o paciente que já teve dengue for acometido pelo tipo 2, há o risco de a doença ser mais grave.

 

Fonte: Hojemais