Acusado é primo do padrasto de uma das vítimas e já a teria beijado na boca várias vezes, segundo a criança

A Polícia Civil de Santo Antônio do Aracanguá (SP) prendeu nesta quarta-feira (27), um homem de 48 anos, acusado de molestar sexualmente de pelo menos duas meninas, uma de 6 e a outra de 8 anos de idade. Um inquérito foi instaurado e não está descartada a possibilidade de haver mais vítimas.

A Justiça de Araçatuba decretou a prisão temporária dele após a polícia ser comunicada dos crimes nesta semana.

No caso da criança de 6 anos, os fatos aconteceram em janeiro, mas a mãe dela procurou a polícia ontem (26), informando que no último domingo foi informada pela filha.

Ela contou que a criança foi convidada pelo acusado a ir na casa dele, que mora sozinho e é conhecido da família.

No imóvel, ele teria tirado a roupa e colocado a mão da menina no órgão genital dele. Em seguida, tirou a roupa da menina e passou a acariciá-la, inclusive nas partes íntimas.

Após os crimes, o acusado levou a vítima embora e a deixou em uma praça. Ainda de acordo com a mãe da criança, os abusos teriam ocorrido em outras ocasiões, conforme relatado por ela.

O outro caso foi denunciado na manhã de segunda-feira (25) e o crime teria ocorrido no dia anterior. A mãe da menina de 8 anos disse à polícia que o acusado é primo do padrasto dela e estavam todos em casa.

Ele teria pedido à vítima, que estava na cozinha, que lhe servisse um café. Quando a criança foi servi-lo, ele aproximou-se por trás e passou a esfregar-se nela.

Após servi-lo, a menina sentou-se à mesa na cozinha e passou a brincar. De repente, ela foi surpreendida pelo acusado, que colocou as duas mãos na nuca dela e em seguida a beijou na boca. Após beijá-la, ele voltou para a sala e depois foi embora.

A vítima contou à mãe que por várias vezes, quando o acusado a viu andando pela rua, ele a agarrou e a beijou na boca. Entretanto, ela teve medo de contar o que havia acontecido.

Assim que soube dos crimes, a mãe da menina chamou a Polícia Militar, que saiu em patrulhamento, mas não conseguiu localizar o investigado.

As vítimas solicitaram as medidas protetivas previstas na lei Maria da Penha e a Polícia Civil representou pela prisão temporária do acusado, que responderá por estupro de vulnerável.