Crime aconteceu durante suposta briga entre catadores de recicláveis nesta madrugada em Birigui

O catador de recicláveis Lindomar Alves Pereira, 40 anos, morreu na manhã desta terça-feira (2), em Birigui. Outro catador de recicláveis, de 36 anos, foi detido pela polícia e confessou ter arremessado um vaso sanitário na cabeça da vítima.

O crime aconteceu durante a madrugada, em uma residência na travessa Marechal Deodoro, que fica na Vila Cortelazzi.

Segundo o boletim de ocorrência, a Polícia Militar atendeu chamado de lesão corporal grave e solicitou a presença de equipe do IC (Instituto de Criminalística).

Quando os peritos chegaram ao local, a vítima tinha sido socorrida, levada ao pronto-socorro e, durante atendimento, veio a óbito.

O boletim de ocorrência feito pela PM só foi apresentado na delegacia pela manhã, quando o delegado determinou ao Setor de Investigações que fosse ao local em busca de testemunhas.

Discussão

Na casa próxima ao local onde o corpo foi encontrado, os investigadores abordaram o outro catador de recicláveis e uma testemunha, que relatou ter ocorrido uma briga entre o investigado e a vítima.

Essa pessoa disse ter presenciado o início das dicussões, falou que conseguiu separá-los, mas quando as partes já estavam foram da casa, houve nova agressão, dessa vez, com o vaso sanitário. A testemunha disse não ter visto a cena, mas afirmou que ouviu.

 

O investigado confessou o crime, mas alegou que não sabia que Pereira havia morrido. Ele contou que mora em uma casa nessa mesma travessa com outros três homens e que a vítima frequentava o imóvel, apesar de não terem amizade.

Ainda de acordo com ele, durante a madrugada, Pereira chegou ao local fazendo barulho e batendo na janela. Como assistia filme no celular, o investigado mandou que ele parasse.

A vítima então teria pedido uma manta, a qual foi entregue a ela pela janela, mas teria continuado fazendo barulho, por isso, foi chamada à atenção novamente.

Nesse momento, Pereira teria arrombado a porta da casa, passado a agredir o investigado com tapas no rosto. Em seguida, teria pegado um pedaço de madeira.

O investigado disse à polícia que para se defender, pegou um vaso sanitário que havia na casa e arremessou contra a vítima, que foi atingida na cabeça.

Ele afirmou que após a agressão foi embora e moradores chamaram o resgate, só vindo a saber que Pereira havia morrido ao ser procurado pelo investigador, pois quando deixou o local, a vítima ainda estaria com vida.

O investigado argumentou que teve lesões na parte interna da boca pelas agressões que sofreu por parte de Pereira.

O boletim de ocorrência foi registrado como homicídio e após ser ouvido, o investigado foi liberado.

A polícia apreendeu dois pedaços do vaso sanitário e um pedaço de madeira que estavam com sangue e foram encontrados no local onde aconteceu o crime.

 

Fonte: Hojemais