Um grupo de caminhoneiros bloqueou totalmente a via, na altura do Cebolão, contra as medidas de fechamento de serviços não essenciais no estado de São Paulo que passa a vigorar neste sábado (6). O rodízio municipal de veículos foi suspenso na capital paulista.

Um grupo de caminhoneiros realizava um protesto na Marginal Tietê, no sentido da Rodovia Ayrton Senna, na altura do Cebolão, na manhã desta sexta-feira (5), em São Paulo. As pistas expressa, central e local chegaram a ficar totalmente interditadas. Por volta das 9h, uma faixa de cada via estava liberada para a passagem de carros de passeio e motociclistas, mas o ato continuava.

O protesto ocorreu contra as medidas impostas pelo governo estadual para evitar o avanço da pandemia de coronavírus com o fechamento de serviços não essenciais por 14 dias e restrição de circulação entre 20h e 5h a partir deste sábado (6).

A manifestação, que começou por volta das 5h30 na Rodovia Castello Branco, bloqueou o entroncamento entre as duas marginais, na chegada a São Paulo. Os caminhoneiros usavam os veículos e estendiam faixas para interditar as vias.

Por volta das 6h, havia 10 km de congestionamento nas marginais Tietê, Pinheiros e na rodovia Castello Branco. A lentidão chegava até a praça de pedágio de Alphaville, em Barueri, da Castello Branco.

Na via local da marginal, alguns motoristas de carros particulares e motociclistas eram liberados pelos manifestantes e conseguiam passar. Nas pistas central e expressa, os manifestantes liberavam a passagem de alguns veículos e bloqueavam em seguida. Às 8h20, a faixa da esquerda da via expressa estava liberada para carros de passeio. Veículos de carga não podiam passar.

A Polícia Militar e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estavam no local.

O coronel Robson Cabanas Duque, porta-voz da PM, diz que policias estão negociando com a liderança dos manifestantes para liberar a via.