Meia nega insatisfação por falta de chances como titular: “Ninguém é maior que o Santos”


Bruno Oliveira se acostumou a entrar no segundo tempo dos jogos do Santos. No último sábado, contra o Corinthians, em Itaquera, não foi diferente, e por pouco o meia não fez a diferença no último lance do clássico, em que acionou Marcos Leonardo em jogada de contra-ataque, mas o passe acabou saindo longo demais. Após o apito final, o jovem de 24 anos comentou sobre o fato de ter recebido apenas uma oportunidade como titular neste ano, mas negou qualquer insatisfação.

“Não fico frustrado, o Bustos tem conversado comigo, tenho entrado bem. [Disse] Pra eu continuar assim. Quando entro dez, 15 minutos, procuro dar meu melhor, ninguém é maior que o Santos para ficar emburrado porque não está jogando. Sigo trabalhando na humildade. Conforme as oportunidades vão aparecendo, tenho que aproveitar”, disse Bruno Oliveira.

Apesar de ter levado perigo à meta corintiana e mostrado mais uma vez ao técnico Fabián Bustos que pode ser útil, o meia admitiu certo descontentamento por não ter concretizado a boa oportunidade criada no último lance do jogo em gol, mas ressaltou a mudança de postura do elenco em relação à goleada sofrida para o mesmo rival no meio de semana, pela Copa do Brasil.

“Empate de acordo com quarta-feira não foi ruim, mas de acordo com o que foi o jogo, saímos com um gostinho amargo, porque poderíamos ter saído com a vitória. A atitude do nosso time foi completamente diferente do que foi no jogo passado, e assim que tem que ser, porque quando você joga no Santos, tem que ser pra frente. O Santos é um time ofensivo, e é assim que tem que ser”, prosseguiu.

Na véspera do clássico do último sábado, torcedores organizados compareceram na porta do hotel em que a delegação santista estava concentrada para protestar pela goleada na Copa do Brasil, o que, de acordo com Bruno Oliveira, foi compreendido pelo grupo.

“Teve reunião, a torcida foi lá, mas a gente entende o torcedor. Nos fechamos e tivemos que mudar a postura. Aquele jogo não foi a gente, foi uma noite atípica e aquilo nunca mais vai se repetir. Quando se trata de Santos, aquilo não pode acontecer nunca”, concluiu.

O Santos agora volta o foco para o confronto da próxima quarta-feira com o Deportivo Táchira, na Venezuela, pela ida das oitavas de final da Copa Sul-Americana.