Brasil ultrapassou marca de 3 mil mortes por Covid em 24 horas. Entre os primeiros a chegarem para o encontro estavam o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, e o presidente da Câmara, Arthur Lira.

O presidente Jair Bolsonaro se reúne na manhã desta quarta-feira (24) com chefes de poderes, ministros e governadores para discutir medidas de combate à pandemia de Covid-19.

Por volta de 8h, os participantes começaram a chegar à residência oficial do Palácio da Alvorada. Entre os primeiros que chegaram estavam o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Pouco depois, chegaram autoridades como o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), o governador de Amazonas, Wilson Lima (PSC), e o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC).

Governadores que fazem oposição declarada a Bolsonaro não foram chamados. Desde o início da pandemia, Bolsonaro tem tido atritos com governos estaduais por discordar de medidas de isolamento social para conter o avanço do vírus.

O encontro ocorre um dia após o país ter atingido o recorde de mais de 3 mil mortes em 24 horas. É o pior momento no Brasil.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), que vê com “grande preocupação” a situação do Brasil, o país é o segundo em maior número mortes, atrás somente dos Estados Unidos.

Em pronunciamento nesta terça (23), Bolsonaro disse que estão “garantidas” 500 milhões de doses de vacina até o fim deste ano. O presidente omitiu, no entanto, a informação de que o Ministério da Saúde reduziu em quase 10 milhões o total de doses previstas para abril.

Segundo o consórcio de veículos de imprensa, com base em dados fornecidos pelas secretarias estaduais de Saúde, 6,04% da população do país foi vacinada até as 20h21 desta terça-feira, o que representa 17,1 milhões de doses aplicadas.