A recém-anunciada saída de Márcio França (PSB) tende a afunilar a disputa pelo comando do Estado mais rico e populoso do país em três nomes: Fernando Haddad (PT), que hoje lidera com folga as pesquisas, e os tecnicamente empatados Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Rodrigo Garcia (PSDB).

Você pode ouvir O Assunto no g1, no GloboPlay, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music, no Hello You ou na sua plataforma de áudio preferida. Assine ou siga O Assunto, para ser avisado sempre que tiver novo episódio.

A recém-anunciada saída de Márcio França (PSB) tende a afunilar a disputa pelo comando do Estado mais rico e populoso do país em três nomes: Fernando Haddad (PT), que hoje lidera com folga as pesquisas, e os tecnicamente empatados Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Rodrigo Garcia (PSDB). “É corrida de chegada, não de largada”, adverte o jornalista Fábio Zambeli, lembrando que o petista já é amplamente conhecido, ao contrário dos outros dois. Peculiar, também, porque nem todos têm padrinho: enquanto Haddad se escora em Lula, e Tarcísio é obra de Bolsonaro, Garcia, ocupante do cargo, luta para se desvincular do desgastado antecessor, João Doria, e afastar o fantasma de Geraldo Alckmin -personificação do PSDB para o eleitor paulista, o ex-governador migrou para o PSB e estará no palanque de Haddad.

Na conversa com Renata Lo Prete, o analista-chefe da plataforma Jota em São Paulo analisa os possíveis efeitos do “fator Alckmin” e os movimentos de Lula e Bolsonaro em território no qual competem de forma mais acirrada do que na média nacional. Para o ex-presidente, “já seria vitória” ver seu candidato no segundo turno. Para o atual, seu ex-ministro da Infraestrutura, de perfil menos belicoso do que o chefe, pode ser isca para recuperar votos perdidos no Estado. Zambeli contempla a possibilidade de “fim de uma era” -jamais o PSDB esteve sob tanto risco de perder seu reduto de quase três décadas. Mas considera prematura qualquer previsão de resultado, levando em conta que serão quase “duas eleições distintas”: a que se desenrola na capital e na Grande SP, onde o voto é pendular ao longo dos anos, e a do interior, tradicionalmente à direita.