Proprietário viu anúncio da venda do equipamento, negociou com o vendedor e foi com a polícia para buscá-lo

A Polícia Civil prendeu na manhã desta quarta-feira (13), um homem de 38 anos, morador em Birigui (SP), por receptação. Ele estava de posse de uma retroescavadeira avaliada em R$ 220 mil, que foi furtada na região de Presidente Prudente na semana passada. Ela já estava com a numeração aparentemente adulterada.

O maquinário foi encontrado pelo proprietário, que soube do anúncio de venda por R$ 150 mil, negociou com o vendedor e comunicou a polícia, que o acompanhou até uma oficina mecânica na zona rural de Birigui, onde a retroescavadeira foi localizada.

O flagrante foi resultado de ação conjunta da Polícia Civil de Presidente Bernardes e de Birigui, chefiada pelo delegado Eduardo Lima de Paula. A investigação teve início após o proprietário da máquina registrar o boletim de ocorrência de furto, na segunda-feira (11).

Ele contou que surgiu uma pessoa interessada em realizar serviços de terraplanagem em áreas rurais próximas ao município de Pirapozinho. O contrato de aluguel foi assinado após contato telefônico e emissão de documentos do suposto contratante e no dia 2 deste mês, a retroescavadeira, marca CAT, foi transportada até uma propriedade indicada pelo locador.

Segundo a vítima, essa pessoa aguardava no local do desembarque, acompanhada de um rapaz que foi apresentado como funcionário dela. Um funcionário da vítima permaneceu hospedado em um hotel para fazer o transporte do operador da máquina no início e no final do dia.

Ele também acompanhava a realização do serviço durante todo o dia. Esse trabalho foi feito no período de segunda a sexta-feira, data em que a vítima foi até à propriedade para buscar o funcionário.

Na segunda-feira, quando os trabalhos deveriam ser retomados, o proprietário notou que a máquina não estava no local. Em conversa com o dono de um dos sítios nas imediações, a vítima foi informada que na tarde de sexta-feira o locador e o funcionário dele almoçaram na propriedade e em seguida disseram que levariam a máquina para lavar no aeroporto.

Porém, segundo o que foi informado, o equipamento foi embarcado na propriedade em um caminhão prancha articulado e não foi trazido de volta. O dono da máquina disse à polícia que tentou contatos pelo telefone com o locador, mas não obteve sucesso.