Com favoritismo do Brasil, competição na Colômbia dará US$ 1,5 milhão ao campeão e ainda 3 vagas na Copa do Mundo de 2023 e duas em Paris 2024

A Copa América feminina começa nesta sexta-feira em uma de suas mais importantes edições. Realizada pela nona vez, a competição dá um passo importante paa o futebol sul-americano. O primeiro deles é que pela primeira vez a seleção campeã receberá um prêmio em dinheiro: US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 8 milhões). Além disso, a competição define o calendário das seleções. Isso porque dá 3 vagas diretas ao Mundial 2023, em Nova Zelândia e Austrália, e duas vagas diretas em Paris 2024.

A Copa América é muito importante porque dá vaga para dois campeonatos incríveis como Mundial, Olimpíada. O calendário nosso depende dessa Copa América. Tem que colocar toda nossa experiência e futebol dentro desse campeonato. O futebol feminino vem crescendo muito então não vai ser fácil. Sempre é um torneio muito difícil. As últimas duas Copas Américas decidimos em 2014 nos pênaltis contra a Colômbia, em 2018 também foi muito disputada. Tivemos até um jogo que perdemos para as argentinas. Temos que estar focadas o tempo todo – afirmou Tamires em entrevista exclusiva ao ge.

Zagueira do Palmeiras, Agustina será uma das peças chave da Argentina na competição. A jogadora reconhece o favoritismo do Brasil em todo o torneio, mas ressalta que, no geral, será uma Copa América difícil pelo crescimento de todas as seleções.

Isso é muito bom não só para a seleção argentina, mas também para o resto das seleções porque só uma competição determina se você vai para Copa do Mundo, Olimpíada, ter mais vagas faz com que as seleções possam continuar trabalhando e não tenham uma quantidade de anos tão grande para se preparar para a próxima competição. O que a gente está vendo é que todas as seleções estão crescendo muito. É muito difícil falar “o favorito é esse”. Sabemos que o Brasil é, mas fora do Brasil o resto das seleções estão em uma competição muito igual. Vai ser uma Copa (América) bem difícil – Agustina.

O crescimento das seleções também faz que que muitas sonhem com o Mundial do próximo ano. O aumento na competição da Fifa de 24 para 32 times fez que esse objetivo se torne ainda mais viável. Zagueira do Atlético-MG e também da Venezuela, Dayana Rodriguez tem o foco definido em buscar esse lugar.

  • A expectativa de todas as seleções é a mesma, uma vaga no Mundial e ir bem na Copa América. Todos sabem o potencial que tem o Brasil. Ter elas como rivais é um desafio muito grande. Vamos enfrentar elas e dar o melhor e representar nossa seleção da melhor maneira. Com muito trabalho, determinação e concentração buscar uma vaga no Mundial – disse Dayana.

A Copa América também inclui uma outra novidade ao seu campeão. A primeira colocada deste ano irá enfrentar o campeão da Eurocopa 2022 na data Fifa de 13 a 25 de fevereiro. O jogo será na Europa. O pontapé inicial será entre Bolívia e Equador, comandado pela brasileira Emily Lima, a partir de 18h (de Brasília). Logo depois, as donas da casa entram em campo com o apoio da torcida colombiana diante do Paraguai, em Cali, às 21h. Com estreia no sábado diante da Argentina, às 21h, em Armênia, o Brasil é o favorito no torneio, mas cada vez mais postulantes tentam a busca pelo troféu de uma nova Copa América.