Somente em São José da Coroa Grande, ao menos 17 pessoas foram atendidas. Em sete dias, foram 958 toneladas recolhidas nas praias do estado.

Antônio (de azul, à direita) relatou sintomas causados após contato com petróleo recolhido em praias — Foto: Reprodução/WhatsApp

Pessoas que ajudaram a remover o óleo encontrado nas praias de Pernambuco relataram ter sentido diversos sintomas após o contato com a substância. Ao menos 17 foram socorridas a um hospital de São José da Coroa Grande, no Litoral Sul, relatando dor de cabeça, enjoo, vômitos, erupções e pontos vermelhos na pele. Em sete dias, foram recolhidas 958 toneladas de resíduos nas praias do estado.

Manchas de óleo no Nordeste: o que se sabe sobre o problema
Lista de praias atingidas pelas manchas de óleo no Nordeste
Petróleo tem substâncias que trazem riscos à saúde

Segundo Antônio Carlos Barbosa, funcionário público, os sintomas apareceram logo depois do contato com o óleo, na sexta-feira (18). Ele atuou na retirada da substância no Rio Persinunga, na divisa com Alagoas.

“Minha família vive da pesca e turismo, por isso, fui ajudar. Senti, no mesmo dia, vermelhidão e muita ardência na pele, justamente nos braços, porque não usei luvas ou qualquer proteção. Fui ao hospital, tomei um antialérgico e logo melhorei”, relatou Antônio.

O coordenador da Defesa Civil de São José da Coroa Grande, Ivan Aguiar, também sentiu os efeitos do contato com o óleo. Ele participou da operação para retirada do óleo desde o primeiro dia e, no segundo, passou mal e precisou ser socorrido.

“No começo, tivemos que atuar sem equipamentos de proteção. Senti muitas cólicas abdominais e náuseas a ponto de ter que ir para o hospital. Na madrugada da sexta-feira (18), não aguentei e fui”, disse Ivan.
Depois da medicação na unidade hospitalar, relembrou o coordenador da Defesa Civil, os sintomas desapareceram. “Tomei antialérgico e remédios para a cólica. Depois da medicação, não voltei a sentir nada. Também passamos a utilizar os equipamentos de proteção”, declarou.

Presentes no petróleo, os compostos benzeno, tolueno e xileno são extremamente perigosos a longo prazo, segundo especialista em recuperação de áreas atingidas pelo óleo. Além de alto potencial cancerígeno, a exposição pode provocar doenças no sistema nervoso central.