Região tem crescimento de 45,1% no PIB entre 2002 e 2018

A Fundação Seade divulgou nesta terça-feira (13), a análise Produto Interno Bruto das regiões paulistas, calculado no período de 2002 a 2018. O PIB do Estado de São Paulo cresceu em média 2,3% ao ano, com ganhos diferenciados segundo o perfil geoeconômico das regiões.
Araçatuba, São José do Rio Preto, Bauru e outras cidades, que formam o complexo sucroalcooleiro, representam 14,8% da economia do Estado, acumulando 45,1% de crescimento nesse período, e média anual de 2,4%. “O avanço territorial da cana-de-açúcar e estabilização do complexo sucroalcooleiro como o núcleo econômico regional foram os fatores responsáveis pela evolução econômica da região”, destacou a Fundação Seade.
São José do Rio Preto e Bauru registraram taxas de crescimento de 4,0% e 3,4% ao ano, respectivamente. As demais regiões do grupo, incluindo Araçatuba, cresceram até 2,1% ao ano.

As regiões de cidades mais industrializadas como São Paulo, Campinas, Sorocaba e São José dos Campos, registraram crescimento acumulado de 42,3% e média anual de 2,2%.Segundo a fundação, a Região Metropolitana de São Paulo, responsável por 54,3% do PIB paulista, teve um desempenho inferior das demais regiões industrializadas, registrando taxa de expansão de 1,8% ao ano no período. “Isso reflete a perda de dinamismo da sua economia, movimento que pode estar associado ao processo de desarticulação do parque industrial da capital e da região do ABC e às opções locacionais das empresas em novas áreas de seu entorno”.
O melhor desempenho entre os três grandes blocos econômicos é das Regiões de Registro e Santos, com crescimento de 52,2% e média anual de 2,7%. De acordo com a Seabe, esse desempenho é resultado das atividades de extração de petróleo e gás associadas ao pré-sal em Registro, que alcançou média de expansão de 10% ao ano, influenciada pelo incremento da indústria (17,7% a.a.). Com taxa de 1,4% ao ano, a Região de Santos registra baixo desempenho, mas continua como 5ª economia paulista.

CRESCIMENTO EM 2018
Em comparação a 2017, a economia paulista aumentou 1,4% em 2018. A expansão da indústria e dos serviços contribuiu para o resultado com 0,9% e 1,9%, respectivamente.
Na região de Araçatuba, o 2º trimestre de 2018 trouxe uma inversão na tendência de crescimento, fechando o ano com uma taxa negativa. Na área mais industrializada, houve a mesma inversão, mas com desaceleração mais suave, chegando ao 4º trimestre com a mesma taxa de crescimento de 2017.
A Região de Registro e Santos obtiveram melhor desempenho, que começou o ano de 2018 com dois trimestres seguidos de retração da produção, mas reverteu a situação alcançando taxas positivas de crescimento no segundo semestre.