‘Avaliamos que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Muhammad bin Salman, aprovou uma operação em Istambul, na Turquia, para capturar ou matar o jornalista saudita Jamal Khashoggi’, diz o documento, de autoria do gabinete do diretor de Inteligência Nacional. Departamento de Estado anunciou retirada de vistos de pessoas que persigam dissidentes, ativistas e jornalistas; 76 sauditas são primeiros atingidos por medida.

Um relatório da inteligência dos Estados Unidos divulgado nesta sexta-feira (26) atribui ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Muhammad bin Salman, a responsabilidade pela morte do jornalista Jamal Khashoggi, em 2018.

Além disso, o Departamento de Estado anunciou a criação de uma política para retirar os vistos de entrada nos EUA de pessoas que – a serviço de um governo estrangeiro – persigam ou coloquem em risco dissidentes, ativistas e jornalistas (leia mais abaixo). A medida recebeu o nome de “Proibição Khashiggi”. Setenta e seis sauditas foram os primeiros atingidos pela medida – mas não bin Salman.

Khashoggi foi assassinado dentro da embaixada da Arábia Saudita em Ancara, na Turquia, quando entrou no local para buscar uma certidão para poder se casar com sua noiva turca. Ele foi correspondente do “Washington Post” e era um crítico ferrenho do governo saudita.

“Avaliamos que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Muhammad bin Salman, aprovou uma operação em Istambul, na Turquia, para capturar ou matar o jornalista saudita Jamal Khashoggi”, diz o documento, de autoria do gabinete do diretor de Inteligência Nacional.


“Baseamos esta avaliação no controle do Príncipe Herdeiro da tomada de decisões no Reino, no envolvimento direto de um conselheiro-chave e membros da equipe de proteção de Muhammad bin Salman na operação e no apoio do Príncipe Herdeiro ao uso de medidas violentas para silenciar dissidentes no exterior, incluindo Khashoggi”, prossegue o texto.

Entenda o caso do jornalista da Arábia Saudita morto na Turquia
Jamal Khashoggi: jornalista e intelectual saudita engajado
“Desde 2017, o Príncipe Herdeiro tem o controle absoluto das organizações de segurança e inteligência do Reino, tornando altamente improvável que as autoridades sauditas tenham realizado uma operação dessa natureza sem a autorização do Príncipe Herdeiro”, diz ainda o documento.

O relatório também cita a proximidade das pessoas envolvidas no assassinato com o príncipe, e destaca que sete dos membros da equipe de 15 homens acusados faziam parte de um grupo de elite encarregado da segurança privada de bin Salman, chamado de Força de Intervenção Rápida (RIF, na sigla em inglês).

“O RIF – subordinado a Guarda Real Saudita – existe para defender o Príncipe Herdeiro, responde apenas a ele, e participou diretamente em operações anteriores de supressão de dissidentes no Reino e no exterior sob direção do príncipe herdeiro. Julgamos que os membros do RIF não teriam participado da operação contra Khashoggi sem a aprovação de Muhammad bin Salman”, menciona o documento.

A divulgação do relatório acontece um dia depois de o presidente Joe Biden conversar por telefone com o pai de bin Salman, o rei Salman.

Durante o telefonema, Biden reforçou o compromisso em “ajudar a Arábia Saudita a defender seu território dos ataques de grupos aliados ao Irã”, mas também destacou a “importância que os Estados Unidos dão aos direitos humanos e ao Estado de Direito”, informou a Casa Branca..