Treinador reclamou de toque de mão de Raphael Veiga antes de gol do Palmeiras e de pênalti não marcado em Pepê após derrota por 1 a 0 no jogo de ida da final da Copa do Brasil

Renato Portaluppi transitou entre reconhecer a falha da defesa no gol de Gustavo Gómez e criticar a arbitragem após a derrota do Grêmio por 1 a 0 para o Palmeiras, neste domingo, na Arena, pelo jogo de ida da final da Copa do Brasil. Em sua entrevista coletiva, o treinador ainda manteve as esperanças acesas de uma virada para conquistar o hexa no Allianz Parque.

Logo na primeira resposta, o técnico afirmou que o Tricolor “deu mole” no gol que definiu a partida. A mesma expressão já foi usada outras vezes pelo treinador para explicar insucessos do time. Renato afirmou que faltou atenção ao seu sistema defensivo na marcação ao zagueiro paraguaio rival. Gómez subiu sozinho e venceu Paulo Victor de cabeça após cobrança escanteio ainda no primeiro tempo.

– Uma decisão é assim mesmo. Até dei o exemplo para o meu grupo, que na final da Libertadores entre Palmeiras e Santos, praticamente não teve chance de gol também. O que não pode na decisão é você errar. Demos mole no gol do Palmeiras, faltou atenção para a nossa equipe. Uma decisão dessas é decidida por detalhezinhos. Infelizmente, por causa de um detalhezinho, perdemos o jogo – disse o treinador.

Em seguida, Renato afirmou que não reclamaria da arbitragem. Mas desatou a citar dois lances nos quais, em sua visão, o Grêmio acabou prejudicado. O técnico elencou um toque de mão de Raphael Veiga na jogada que originou o escanteio do gol do Palmeiras e um suposto pênalti de Gustavo Gómez em Pepê.