Também será proibido o funcionamento de lojas de materiais de construção, templos e igrejas e a realização de atividades esportivas

A partir da próxima segunda-feira (15), será instituído o toque de recolher em todos os municípios paulistas para restringir a circulação de pessoas e tentar frear o avanço do coronavírus.

O anúncio foi feito durante pronunciamento de membros do governo do Estado no Palácio dos Bandeirantes, no início desta tarde e estarão em vigor até o próximo dia 30.

Além de restringir a circulação de pessoas no período noturno, nas duas próximas semanas será proibido o funcionamento de lojas de materiais de construção, que até então eram considerados essenciais, assim como templos e igrejas, que foram incluídos nessa categoria na semana passada.

O governo também decidiu suspender a realização de atividades esportivas em todo Estado, incluindo os jogos do Campeonato Paulista de Futebol. Nesse caso, a medida atende recomendação do Ministério Público, mas seguem as tratativas com a Federação Paulista de Futebol.

O comércio em geral não poderá funcionar com a retirada de mercadorias nos estabelecimentos. Nas duas próximas semanas, estará autorizado apenas os serviços de delivery, que poderá funcionar em qualquer horário.

Funcionários de órgãos públicos, escritórios e outras atividades que não exijam o trabalho presencial deverão obrigatoriamente exercer o tele-trabalho.

A Fase Vermelha está em vigor em todo território paulista desde o início desta semana e a previsão era de que permanecesse assim até o dia 19.

Entretanto, o Estado enfrenta o pior momento da pandemia, com 53 municípios apresentando 100% na taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), de acordo com o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Ele reforçou que a pandemia vivida hoje é diferente da que o País passou no ano passado, quando a maioria dos pacientes graves era de idosos e pessoas com comorbidades. “Hoje, em muitas UTIs 50% dos internados têm menos de 50 anos de idade” , alertou.

UTI

A taxa média de ocupação de UTIs do Estado, segundo atualização feita às 14h de ontem, era de 83%. “É a velocidade de instalação da pandemia no nosso Estado que compromete a assistência à vida”, declarou.

Em 22 de fevereiro eram 6.410 pacientes internados em UTI e hoje, de acordo com ele, são 9.184. Ou seja, são 2.774 pacientes a mais, o que corresponde à média de 150 internações por dia em São Paulo.

Além disso, há 1.065 pacientes aguardando vaga para atendimento em hospital que ainda tem capacidade para internar pacientes com sintomas de covid-19. Se considerar as regulações pelas regionais, sobre para 2.046 o número de pessoas aguardando atendimento para exames, internações em enfermaria e em UTI.

“Por mais que estejamos aumentando o número de leitos, é muito pouco e não é tão célere quanto à pandemia, infelizmente, no nosso Estado”, disse.
Fonte: Hojemais