Funcionários de outras áreas se uniram aos servidores da saúde e se queixaram dos salários atrasados. Greve ainda afeta várias unidades do município.

Crivella é alvo de manifestantes da Saúde — Foto: Fernanda Graell/TV Globo

Crivella é alvo de manifestantes da Saúde — Foto: Fernanda Graell/TV Globo

Servidores da Saúde e de outras áreas, como a Educação, protestaram, na manhã desta quarta-feira (18), contra o atraso de salários em frente a sede da Prefeitura do Rio, na Cidade Nova.

Durante o dia, a greve na Saúde continua em várias unidades. O movimento afetou de forma intermitente o atendimento nas Clínicas da Família, nas Coordenações Regionais de Emergência e em hospitais da Zona Oeste.

No Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, funcionários afirmaram que os pagamentos ainda estão irregulares e alguns trabalhadores não receberam nenhum valor. Por isso, segue a orientação de apenas atender os pacientes em situação mais grave.

A empresa que administra a unidade afirmou que o dinheiro deve cair na conta ao longo do dia para quem ainda não recebeu.

No Hospital Evandro Freire, na Ilha do Governador, os funcionários que trabalharam ao longo da madrugada afirmaram que o pagamento caiu na conta, menos o 13º salário. As equipes estavam completas. Sobre os insumos, eles disseram que a emergência estava abastecida.

Servidores da Saúde protestam em frente a sede da Prefeitura do Rio contra salários atrasados — Foto: Fernanda Graell/TV Globo

Servidores da Saúde protestam em frente a sede da Prefeitura do Rio contra salários atrasados — Foto: Fernanda Graell/TV Globo

No CER Leblon, na Zona Sul, o atendimento está sendo normalizado. Funcionários afirmaram que a equipe está completa na manhã de quarta.

Na Clínica da Família do Jardim América, a previsão é de que o atendimento não volte ao normal logo, pois os trabalhadores só receberam um dos salários.

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.