Ambos foram presos suspeitos de integrarem organização criminosa que desviou verbas da Prefeitura de Araçatuba (SP). Em conversa com funcionária, sindicalista manda ‘pegar as correntes’.

Conversas divulgadas pela Polícia Federal mostram que José Avelino, o Chinelo, considerado chefe de um grupo investigado por desviar recursos da Prefeitura de Araçatuba por meio de contratos fraudulentos, ordenou que uma pessoa fizesse uma “limpa” na casa do filho, Igor Tiago Pereira, um dia antes de policiais cumprirem mandados de busca e apreensão no local.

José Avelino e Igor Tiago Pereira foram presos durante a operação intitulada como ‘#TudoNosso’ deflagrada nos dias 13 e 14 de agosto, em Itatiba (SP). Ambos tiveram a prisão convertida em preventiva pela Justiça de Araçatuba.

Consta no material da Polícia Federal que, no dia 10 de agosto, Igor Pereira foi informado por funcionários do condomínio onde morava sobre a visita de uma pessoa, que esteve no local para descobrir se ele morava na residência.

Depois de receber a informação, Igor entra em contato com o pai dele demonstrando estar assustado e relata preocupação durante a conversa.

Câmara discute abertura de CPI para identificar envolvidos com organização criminosa

Confira abaixo

– Igor: Alô!!

– Chinelo: E aí Tiagão, falou com a “mina”?

– Igor: Falei, a mina vacilou “pra c*…”

– Chinelo: E aí?

– Igor: Não. Veio aqui, parou o carro do lado, veio com uma prancheta, mostrou o distintivo e tal, não sei o que. Diz “ele mora aí, Igor Tiago, só”. Falei “e aí, cê é “bandido, se é polícia”. Ela fez aquela carinha meio sem graça, ai só. Falei ” muito ruim”. Ela falou que vai mudar procedimento, pedir RG e o c*… Falei, “ah pelo amor de Deus”.

– Chinelo: O cara tava com uma prancheta?

– Igor: Isso! Aí anotou e tal. Ele parou o cara do lado. Não entrou na portaria. Ele parou do lado, naquele vãozinho que fica os carros parado

– Chinelo: É polícia civil ou federal?

– Igor: Ela não soube falar nada cara! Não falou nada com nada. Ruim para c*… de serviço. Entendeu. Eu falei, beleza então. Fazer o que, falar o que para ela.

– Chinelo: É!

– Igor: Falei muito ruim de serviço e tal, entendeu? Diz “não agora vai mudar o procedimento, ter que apresentar RG e tal! Fala “então beleza”! F*..

– Chinelo: Diz “uma informação dessa para ninguém”.

– Igor: P*… é f*…! Entendeu? Muito ruim. Beleza então. Daqui a pouco eu vou ai!

– Chinelo: Falou.

Filho de José Avelino conta para ele sobre visita que recebeu em Araçatuba — Foto: Reprodução/TV TEM Filho de José Avelino conta para ele sobre visita que recebeu em Araçatuba — Foto: Reprodução/TV TEM
Filho de José Avelino conta para ele sobre visita que recebeu em Araçatuba — Foto: Reprodução/TV TEM

Após a conversa, José Avelino determinou que Patrícia Batista, uma pessoa de sua confiança, fizesse um “pente fino” na casa do filho, em Araçatuba (SP). Na conversa, ele orienta a mulher ir ao local para retirar dinheiro e joias que estavam na casa.

Segundo a Polícia Federal, as joias estavam escondidas atrás da geladeira e José demonstrava estar com receio que o local fosse alvo de mandados de busca e apreensão. Confira o diálogo na íntegra.

– Patrícia: Tô saindo fora.

– Chinelo: Oi?

– Patrícia: Tô indo embora.

– Chinelo: Tá. tirou tudo?

– Patrícia: Aham. Até lá de cima no estojinho que tinha.

– Chinelo: Pega tudo. Põe tudo aí. Pegou embaixo da…da… das bermudas aí as correntes?

– Patrícia: Peguei. achei um pino debaixo da cama.

– Chinelo: Isso.

– Patrícia: Tava debaixo da cama, caído.

– Chinelo: Hã.

– Patrícia: E peguei o dinheiro. Tá bom? Aqueles oito.

– Chinelo: Hum.

– Patrícia: E aqueles que estava já usando.

– Chinelo: Tá. Tirou lá da geladeira, as coisas lá?

– Patrícia: Tirei.

– Chinelo: Tá.

– Patrícia: Tô saindo já.

Chinelo: Falou, falou. até logo.

– Patrícia: Tchau.

Prisões
Ao todo, 15 pessoas foram presas durante a operação ‘#TudoNosso’. Destas, nove já foram liberadas depois do vencimento da prisão temporária.

Contudo, a Justiça manteve na prisão de alguns dos investigados. Na sexta-feira (16), foi determinada na prisão preventiva de quatro pessoas: José Avelino Pereira, o Chinelo, do filho dele Igor Thiago Pereira, de José Cláudio Ferreira, o Zé Pera, e de Thiago Henrique Braz Mendes.

Já no sábado (17), a Justiça decretou a prisão preventiva de Silvia Aparecida Teixeira, que até então era servidora da prefeitura.

O esquema
A investigação da Polícia Federal de Araçatuba (SP) começou há aproximadamente dois anos depois de uma denúncia anônima.

Segundo a PF, o empresário José Avelino é o responsável por arquitetar um esquema de corrupção envolvendo diversas empresas ligadas a família dele. O filho Igor Tiago Pereira e um genro dele seriam sócios “laranja” de empresas.

Nos últimos dois anos, de acordo com a PF, as empresas investigadas aditaram ou celebraram contratos com a prefeitura de Araçatuba nas áreas de educação e assistência social. A PF acredita que o grupo movimentou mais de R$ 15 milhões durante o período.

Além da utilização das empresas, pelo menos uma organização social foi criada pelo chefe do grupo e também foi utilizada para os desvios de recursos públicos.