O TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) acaba de emitir um alerta para municípios que estão com gastos considerados “excessivos” com servidores. De acordo com levantamento divulgado ontem pelo órgão fiscalizador, um terço das prefeituras paulistas gasta mais do que o exigido pela legislação com folha de pagamento de pessoal. Só na região de Araçatuba, até abril, dois municípios estavam indo além dos 54% previstos previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal em gasto com funcionalismo público.

Segundo o tribunal, em Alto Alegre, as despesas chegavam a 57,82% do orçamento, enquanto em General Salgado, 55,83%. Alto Algre, aliás, cidade de pouco mais de quatro mil habitantes, aparece na segunda posição dentre as prefeituras com maiores percentuais de despesas com funcionários. Ela é superada apenas pela de Balbinos, localizada na região de Bauru, onde o índice chega a 60,43%.
No entanto, o TCE procura alertar outras administrações públicas, com percentuais próximos dos 54%. São elas: Auriflama (53,71%), Bento de Abreu (49,44%), Braúna (52,08%), Brejo Alegre (51,49%), Gabriel Monteiro (50,05%), Gastão Vidigal (52,37%), Glicério (51,63%), Guaraçaí (51%), Guzolândia (52,14%), Lourdes (50,96%), Luiziânia (49,88%), Nova Castilho (53,41%), Penápolis (49,01%), Promissão (49,15%), Santo Antônio do Aracanguá (51,50%) e Suzanápolis (51,60%).
Todas estas, com exceção de Penápolis, são cidades de pequeno porte populacional.